Inclusão dos Deficientes Auditivos

Como um surdo se sente em meio aos ouvintes? Eles se sentem incluídos, aceitos e até mesmo amados dentro das escolas ou em qualquer outra instituição?

Teaching

Como um surdo se sente em meio aos ouvintes? Eles se sentem incluídos, aceitos e até mesmo amados dentro das escolas ou em qualquer outra instituição? “Deficiente auditivo é todo aquele que possui a “perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas frequências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz” (BRASIL, 2004).“ No Brasil, “45.606.048 de pessoas que equivale a 23 % de toda população, possuem algum tipo de deficiência, sendo que 9.8 milhões destes (5.2%) são deficientes auditivos” (IBGE 2010).

“Os surdos possuem uma língua própria, a LIBRAS, que usam as mãos fazendo “gestos” e as expressões faciais para se comunicarem” (BRASIL,2015). Os surdos enfrentam diversos problemas na sociedade, pois para se comunicarem, precisam de pessoas que saibam a língua de sinais, visto que grande parte dos surdos são analfabetos com relação ao português ou leem e escrevem muito mal, e são poucos os ouvintes que estão preparados para auxiliá-los (FRANCELIN, 2010).

Uma pesquisa sobre processo de inclusão social na comunidade foi realizada com 31 pessoas sendo, 21 deficientes auditivos e 10 intérpretes. O estudo concluiu que, esse processo, que por lei garante que todos os deficientes gozem do direito a igualdade de oportunidades como as demais pessoas e a não sofrerem nenhuma espécie de discriminação, ainda é algo muito teórico e pouco prático. Segundo os entrevistados, a inclusão social ainda está longe de ser uma realidade no Brasil, visto que os mesmos não são bem atendidos e nas instituições públicas ou privadas justamente por não haver nas instituições intérpretes ou simplesmente pessoas que conheçam e dominam a língua de sinais (SILVA, 2018).

Para que haja uma mudança neste paradigma, surdos e colaboradores fizeram três propostas para que o processo de inclusão seja uma realidade que são elas:

  1. Ter pelo menos um intérprete nas instituições públicas e privadas;
  2. Cumprir totalmente com as leis que apoiam e promovem os direitos dos deficientes;
  3. E a que mais se destacou, incluir o ensino de libras nas instituições de ensino, para que um maior número de pessoas possa dominar a língua de sinais. Com isso, os surdos conseguiriam se comunicar melhor e serem aceitos junto à comunidade, já que ao aprender um novo idioma há um mergulho na cultura estudada e muitos preconceitos são quebrados.

Você sabia que quando uma pessoa aprende a língua de sinais (LIBRAS – Linguagem Brasileira de Sinais) é considerado bilingue?  Aprender outro idioma é gratificante, pois te aproxima de uma nova cultura e de um novo mundo, por isso, busque aprender a linguagem de sinais e seja uma pessoa que contribui para o processo de inclusão social.

Referências:

BRASIL; Decreto nº 5.296 de 2 de Dezembro de 2004; Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, 2 de dezembro de 2004; 183o da Independência e 116o da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm. Acesso a: 13 de agosto de 2018.

BRASIL; Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015; Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, 6 de julho de 2015; 194o da Independência e 127o da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso a: 13 de agosto de 2018.

Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência / Luiza Maria Borges Oliveira / Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) / Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência; Brasília : SDH-PR/SNPD, 2012.

FRANCELIN, M.A.; MOTTI, T.F.G.; MORITA, I.:  As Implicações Sociais da Deficiência Auditiva Adquirida em Adultos. Saúde Soc. São Paulo, v.19, n.1, p.180-192, 2010.

SILVA, J.F: A inclusão social vista pelos deficientes auditivos. 2018. 14 f. Artigo (Especialização em Metodologia do Ensino de Biologia) – Centro Universitário Internacional (UNINTER), Petrópolis, RJ,2018.

Author

Silva é pós-graduado em Metodologia do Ensino de Biologia. Atualmente é professor de Ciências e Biologia na Rede de Educação Adventista nos Colégios Adventistas da Tijuca, de Duque de Caxias de Botafogo, no Rio de Janeiro, Brasil.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *